Em reunião do Conselho do Magistério, servidores projetam ações da categoria

O Sindiserv realizou na manhã desta quarta-feira (14) a reunião do Conselho do Magistério, reunindo mais de 70 representantes da Rede Municipal de Ensino. A condução da reunião foi feita pela presidente, Silvana Piroli e pela diretora de educação, Rita Casiraghi Moschem. “Através do debate surgiram encaminhamentos de atividades para levar adiante não só a luta contra a perda de direitos proposta pela Reforma Administrativa, como também adequar a prática pedagógica diante da singularidade da situação vivida”, destaca Rita.
Para Silvana, foi um encontro muito proveitoso. “Organizamos bem a mobilização, além de discutir as melhorias no atendimento dos estudantes, um grande debate dentro do nosso compromisso de um serviço público democrático e de qualidade”, afirma Silvana.

Pagamentos das ações de 1/3 de férias

O encontro iniciou com uma boa notícia por parte da presidente. Após inúmeras reuniões com o Executivo para liberação dos pagamentos das ações de 1/3 de férias ao magistério, foi comunicado que será liberado R$ 1,2 milhão até o final de outubro para esta finalidade. “Ainda faltam cerca de 30% dos processos à serem pagos. Neste momento é uma boa notícia para os professores e professoras da rede”, anuncia.

Reforma Administrativa

Silvana realizou o relato das ações realizadas contra a Reforma Administrativa, dentre elas, o ato em frente a Prefeitura, os materiais que estão veiculando na mídia, a moção de repúdio que será votada na Câmara de Vereadores na seção desta quinta-feira (15). “É importante que os colegas servidores dialoguem nos postos de trabalho, compartilhem os materiais produzidos pelo Sindiserv para que a população entenda que todos estão em risco de perder assistência, saúde, educação e segurança”, observa.
A presidente pontua que os governantes estão utilizando a mesma estratégia da Reforma da Previdência, ou seja, não tornar as questões claras para que a proposta da PEC 32/2020 seja aprovada.

Dia dos Servidores
Para marcar o Dia dos Servidores serão feitos ‘assaltos culturais’ nos postos de trabalho como forma de homenagear os trabalhadores no dia 28 de outubro.

Voto é nossa defesa
A representante do magistério Andrelise Sperb assinalou a importância de verificar as respostas das cartas compromissos encaminhadas aos candidatos a prefeito pelo Sindiserv. “Já estou há mais de 20 anos no serviço público e acho que está bem claro para todas e todos como é o posicionamento de cada candidato e o quanto cada um valoriza o serviço público e a categoria.” As respostas dos candidatos pode ser acessada AQUI.

Retorno presencial às aulas

“Não há segurança para o retorno das aulas. A gente tem uma falsa ilusão de que o contágio está sendo reduzido. Na verdade são as testagens que estão diminuindo”, sublinha Silvana. Destacou ainda que além de não haver um plano de contingência para as escolas, existem outros fatores impeditivos como a falta de professores e profissionais para o preparo da merenda escolar. A alternativa do estudo monitorado ainda é o melhor caminho no entendimento do Sindiserv.
Para o conselheiro Jorge Dutra, é importante ressaltar que quando houver o retorno presencial será basicamente dos estudantes. “Os professores não deixaram de trabalhar um dia sequer”, defende.

Nomeações
No último mês foram feitas 15 nomeações, ainda insuficientes para a necessidade da rede municipal. “Houve sim a ampliação das CAJs, mas não suprem as vagas reais. A prefeitura deverá se organizar para o calendário escolar 2021, sendo que não há previsão de vacina contra o Covid-19 no próximo ano”, explica.

Plano de Carreira do Magistério Público Municipal
Também foram debatidos os pontos do Projeto de Lei que altera o Plano de Carreira do Magistério Municipal, como a exclusão do GII, com os requisitos necessários para as disciplinas de história e geografia. Fizemos algumas sugestões junto à direção da Secretaria Municipal de Recursos Humanos e Logística. Tais como a carga horária com 2/3 para interação com os alunos e 1/3 para planejamento, que até então não constava na lei municipal. “O projeto de Lei é uma organização para o próximo concurso”, destaca Silvana.

Minuta do parecer do Conselho Municipal de Educação

A minuta nacional coloca a possibilidade da união de dois anos letivos, sendo que a aprovação não pode ser automática. O Sindicato defende que o conselho de classe possa fazer a avaliação de cada aluno, prevendo inclusive as situações em que os estudantes não fizeram nenhuma atividade, para que a avaliação fique em aberto para ser realizada no próximo ano. A proposição da Secretaria Municipal de Educação (SMED) propõe que sejam utilizados conceitos com siglas que caracterizem o progresso dos estudantes em 2020, mas que também sirva de agente balizador para 2021.

X