A segurança dos servidores é inegociável, diz presidente do Sindiserv

O Sindicato dos Servidores Municipais de Caxias do Sul (Sindiserv) está buscando respostas para uma série de dúvidas que estão surgindo a partir da publicação do decreto municipal, nº 20856,  no dia 06 de abril, que determinou a retomada das atividades em 25%, na iminência de contágio do Coronavírus (Covid-19). Na tarde de 8 de abril, a presidente, Silvana Piroli e a diretora de saúde, Karina dos Santos, estiveram reunidas com a  titular da Secretaria de Recursos Humanos e Logística (SRHL), Valéria Wormann, para apresentar dúvidas e discutir alternativas para os setores.

Conforme o documento entregue à secretaria, o Sindiserv busca soluções para enfrentamento da crise e em especial a proteção da saúde dos servidores. “Flexibilizar o isolamento social enquanto a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é para que sejam evitados contatos nos parece uma imprudência que terá consequências em curto e médio prazo. Nossa preocupação maior é com a segurança e a vida dos servidores, em especial os que estão na linha de frente”, salienta Silvana Piroli.

No ofício, o Sindiserv elenca perguntas sobre os trabalhadores que compõem os grupos de risco. Solicita, ainda, quais EPIs serão disponibilizados aos servidores em seus percursos de trabalho e questiona sobre o encaminhamento àqueles em que não é possível o teletrabalho, nem o exercício da função sem contato com o público. “Estamos tentando verificar cada situação e apresentar a melhor alternativa. A preservação da saúde é prioridade”, reforça.

Por fim, o Sindicato ressalta que não é admissível haver perdas aos servidores que não puderem desenvolver suas atividades por estarem em grupo de risco. “Precisamos estar atentos para os impactos que a exposição prematura  poderá ocasionar ao IPAM/Saúde e seqüelas que poderão atingir os infectados”, destaca.

X