Maioria dos vereadores aprovaram aumento da alíquota de contribuição ao FAPS sem protelar o prazo

A pressão dos Sindiserv e servidores sobre o Legislativo para protelar por mais 60 dias o início do ajuste à EC 103 do dia 13 de novembro de 2019, conhecida também como Reforma da Previdência, não surtiu resultados.

Nesta quinta-feira (23), a maioria dos vereadores votou contra a emenda encabeçada pela vereadora Denise Pessôa, Elisandro Fiuza/Republicanos e Renato Oliveira/PCdoB que ampliava o prazo para iniciar a contribuição ao FAPS que passará de 11% para 14% ainda em novembro.

Servidores devem manter a LUTA

A presidente do Sindiserv, Silvana Piroli, lamenta a não aprovação da emenda e explica que o Sindicato sempre foi contra a Reforma. “Não tínhamos mais como protelar o projeto pois é uma imposição da própria reforma. É necessário que os servidores permaneçam atentos e mobilizados pois novas mudanças ainda estão por vir, ou seja, assim que aprovada a Lei os servidores deverão optar se querem contribuir ou não sobre as gratificações temporárias ao FAPS. Cada um deve fazer uma análise e tirar suas dúvidas. Nossa luta continua também para encontrar formas de compensação. Embora o servidor seja usado para arrocho salarial do trabalhador, continuaremos na resistência e na luta”, defende.

Votaram à favor da categoria os vereadores: Denise Pessôa/PT, Gládis Frizzo/MDB, Alberto Meneguzzi/PSB, Alceu Thomé/PDT, Renato Oliveita/PcdoB, Chico Gerra/Republicanos e Elisandro Fiúza/Republicanos.

Votaram contra a ampliação do prazo os vereadores: Adiló Didomenico/PSDB, Arlindo Bandeira/PP, Clovis Xuxa/PTB, Edi Carlos Pereira de Souza/PSB, Edson da Rosa/PP,  Felipe Gremelmaier/MDB, Gustavo Toigo/PDT, Kiko Girardi/PSD, Paula Ioris/PSDB, Paulo Périco/MDB, Rafael Bueno/PDT, Rodrigo Beltrão/PSB, Tatiane Frizzo/PSDB, Velocino Uez/PTB e Wagner Petrini/PSB.

Crédito da foto: Gabriela Bento Alves

X