Saúde é pauta de reunião entre Sindiserv e Administração Municipal

Cerca de 1h30min de conversa entre o Sindicato dos Servidores, representado pela presidente, Silvana Piroli, o vice-presidente, Rui Miguel da Silva, a diretora de saúde, Karina dos Santos, a conselheira Maurisséia Nunes e a agente de saúde Carla Gonzaga e o titular da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Jorge Olavo Castro. Na pauta, foram discutidos temas como o fim das terceirizações, auxílio aos agentes de saúde e endemias, tanto aporte financeiro, quanto transporte em regiões mais afastadas a exemplo dos distritos, necessidade de novas nomeações ou concursos.

Foi cerca de 1h30min de conversa entre o Sindiserv e a Secretaria Municipal de Saúde, nesta segunda-feira (9), representado pela presidente, Silvana Piroli, o vice-presidente, Rui Miguel da Silva, a diretora de saúde, Karina dos Santos, a conselheira Maurisséia Nunes e a agente de saúde Carla Gonzaga e o titular da secretaria, Jorge Olavo Castro. Na pauta, foram discutidos temas como o fim das terceirizações, auxílio aos agentes de saúde e endemias, tanto aporte financeiro quanto transporte em regiões mais afastadas a exemplo dos distritos, necessidade de novas nomeações ou concursos, além de melhorias nas condições de trabalho.

Para Silvana Piroli as perspectivas são boas. “Na medida em que temos abertura para propor ações e levar as reivindicações dos servidores, percebemos avanço. Acreditamos que um serviço público se faz com debate e boa vontade de viabilizar”, afirma.

A diretora de saúde, Karina Santos destacou os pontos que envolvem a campanha salarial 2020 e em especial a criação de uma comissão paritária para avaliar a municipalização dos atendimentos das UPAS Central e Zona Norte.

Dimensionamento

O primeiro ponto de debate foi o dimensionamento das necessidades profissionais na rede básica de atendimento. No entendimento do sindicato, existe a necessidade de mapear os locais em que existe maior demanda e adequar o atendimento.

Combate às terceirizações

A municipalização da saúde é uma das reivindicações do Sindiserv, principalmente por acreditar que um serviço público de qualidade se faz com servidores concursados e controle social. “Não temos dúvidas que o ideal é a gestão total do serviço por meio do município. Porém, temos que debater alguns entraves de ordem financeira e profissional”, defende Castro.

Transporte de pacientes

O atual contrato da UPA Zona Norte prevê o transporte dos pacientes, quando da necessidade, para hospitais e/ou clínicas. Porém, a IGH, empresa que administra o local alega que não possui condições de prestar o serviço. “Não podemos deixar os usuários sem atendimento e seus problemas de saúde agravados, mas é fundamental cobrar que o contrato seja cumprido”, reforça Silvana.

Agentes de Saúde e Endemias

Na reunião, a agente de saúde Carla Gonzaga, explica que os profissionais que atuam como agentes de saúde precisam com urgência de novos uniformes. “Há 6 anos recebi um avental, camiseta e calça. A exposição diária ao tempo faz com que as roupas estejam muito desgastadas”, adverte.

Outra questão abordada foi o transporte para os agentes que atuam em locais onde o transporte urbano não chega. Para estes, Castro afirma que deverá encontrar uma solução. Sobre o incentivo, geralmente repassado aos trabalhadores no final de cada ano e suspenso nos dois últimos anos do governo Guerra. O secretário afirma que encaminhou o assunto para a Procuradoria Geral do Município (PGM).

Condições de trabalho

Problemas estruturais das Unidades Básicas de Saúde (UBS’s) devem ser identificados e os reparos realizados. “O orçamento está na Central de Licitações. Estamos prevendo melhorias em todas as Unidades”, reforça o secretário. Silvana também relatou a falta de insumos para o desempenho das atividades e defendeu a manutenção eficaz dos equipamentos.

X