Falta de transparência na administração da UPA Zona Norte é fruto das terceirizações

O Sindicato dos Servidores Municipais de Caxias do Sul vem, desde o anúncio de terceirização da UPA Zona Norte, alertando sobre a precarização dos serviços e das relações de trabalho por parte da IGH, empresa que administra o serviço. A rescisão contratual foi revelada na manhã desta terça-feira (10) na Câmara de Vereadores.
A presidente do Sindiserv, Silvana Piroli, salienta as diversas tentativas de diálogo com o Executivo para alertar sobre os problemas decorrentes da administração da saúde pública pela iniciativa privada. Os gargalos levantados elencados pelo sindicato vão desde o desrespeito aos direitos trabalhistas, passando por más condições de trabalho, baixos salários, piora das condições de saúde até a vulnerabilidade da população. “Nós, servidores públicos, temos conhecimento do mecanismo de trabalho e das peculiaridades da população caxiense, coisa que as empresas, em especial as de fora da região, desconhecem. Existem servidores concursados, capacitados e dispostos a atuar no serviço de urgência e emergência, mas que por falta de eficiência na gestão estão atuando em locais onde são subutilizados”, reitera.
Na visão da presidente, a principal marca de um governo é saber administrar e quando a ação é transferida para a iniciativa privada é como se a administração recebesse um selo de incapacidade. Com o anúncio da rescisão do contrato, o Sindicato espera que a Administração recue da proposta de buscar nova licitação e assuma, de fato, a saúde municipal. “Este é o momento de reconhecer que um serviço de qualidade e eficiente se faz com servidores concursados  e idoneidade”.
Silvana salienta a falta de ética do gestor da pasta em não comunicar à população uma informação desta importância. “Se este assunto não viesse à tona pelo Legislativo, quando a população seria informada? Onde está a transparência?”, finaliza.

X