Vigília permanente no Cemitério Público Municipal

O servidor, Luciano Perussatto, 46 anos, passou no concurso público para atuar como pedreiro, e logo foi encaminhado para realizar reparos no Cemitério Público Municipal. Após um período, recebeu uma Função Gratificada e agora responde pelos dois cemitérios municipais (1 e 2). Você imagina como seria a cidade sem os servidores que nos momentos mais difíceis estão ao seu lado?

Há seis anos na área,  ele explica que as demandas são as mais diversas com um volume de trabalho intenso. “Nosso trabalho acontece de segunda a segunda, o ano todo. Aqui nós agendamos sepultamentos, cuidamos dos aluguéis de gavetas, liberamos sepultamentos para jazigos particulares, traslados e exumações. Também somos responsáveis pela liberação de reformas e construções de novas sepulturas”, explica.

Além disso, existe o trabalho de acompanhamento do trabalho de manutenção e limpeza realizado pela Codeca, empresa responsável por realizar este serviço. São cerca de 70 a 80 sepultamentos mensais. Enquanto concedia a entrevista, três pessoas aguardavam pelo atendimento de Perussatto para saber a exata localização dos túmulos de parentes e amigos. O trabalho durante os finais de semana ocorre em escala de revezamento entre cinco funcionários. “Somos em poucos para atender uma demanda tão grande, mas procuramos fazer tudo da melhor forma possível, oferecendo um trabalho humanizado em momentos de dor e despedida”, conta. A parte estrutural também necessita de apoio, principalmente na área de segurança, pois ainda ocorrem pequenos furtos e depredações.

Durante este período, o servidor aprendeu a observar os sentimentos que rondam o cemitério. “No primeiro momento as pessoas vem até aqui com um sentimento de raiva, tristeza, impotência e até uma certa indignação com o ser superior que tirou as pessoas queridas do convívio. No segundo momento, na hora da visitação, o cemitério representa um momento de paz, oração e prece”, conta.

X