Guerra define grupo de trabalho para analisar a continuidade da Farmácia do IPAM

O Prefeito Daniel Guerra comprometeu-se na tarde desta quarta-feira, 01/02, com a formação de um grupo de trabalho para analisar detalhadamente com todos os envolvidos a situação da Farmácia do IPAM, bem como o indicativo do Conselho Gestor do IPAM pelo fechamento da mesma. O encontro foi solicitado pelo SINDISERV e contou com a participação de representantes do Sindicato dos Comerciários e de funcionários da Farmácia.

Ele solicitou a Secretária de Governo Vânia Espeiorin que organize os contatos e garanta uma agenda com representantes do SINDISERV, Sindicato dos Comerciários, representantes dos funcionários do IPAM e direção da Farmácia, na próxima semana.

Na ocasião, foram entregues ao Prefeito abaixo assinado com cerca de cinco mil assinaturas. A Presidente do SINDISERV Silvana Piroli destacou que a conversa foi muito positiva porque o Prefeito se comprometeu em rever esse apontamento do Conselho. Ele reafirmou aos presentes que nenhuma decisão de impacto será tomada sem que sejam esgotadas todas as possibilidades de estudo, análise e conversações com os setores envolvidos.

Guerra informou que encaminhou a Procuradoria Geral do Município o relatório do Conselho Gestor do IPAM para que sejam verificados todos os aspectos legais e os apontamentos do Ministério Público. Disse que se compromete pessoalmente em solicitar junto ao MP para protelar os prazos necessários para que a atual gestão e este grupo de trabalho estejam seguros quanto a tomada de decisão, seja ela pelo fechamento ou transformação da mesma para uma Sociedade Anônima. “Fico admirado como passaram-se sete anos e não houve esse amplo diálogo com as partes envolvidas para que um encaminhamento responsável e viável economicamente fosse tomado. Temos que criar e esgotar todos os canais e possibilidades de diálogo antes de tomarmos qualquer medida dessa grandiosidade e impacto social,” finalizou.

O Sindicato dos Comerciários também informou ao Prefeito que solicitou ao Ministério Público do Trabalho a instauração de uma junta de mediação entre as partes de modo que seja garantido o emprego para os mais de 80 funcionários da Farmácia. “Momento delicado de desemprego e recessão e por isso não poderemos permitir que novos postos sejam fechados desta maneira, “comentou o Presidente dos Comerciários Silvio Frasson. Dados apresentados pelos funcionários da Farmácia apontam para a saúde financeira da mesma, inclusive como uma empresa sólida que dá lucro e 50% dele retorna aos cofres do IPAM, além da credibilidade comercial e reconhecimento regional.

“É preciso que se analise com cautela os interesses do bem público, que se preserve o patrimônio histórico dos servidores e o interesse social, de modo que se mantenha inclusive o emprego dos mais de 80 funcionários que lá atuam,” destacou Silvana Piroli.

Assessoria de Imprensa

X